O governo publicou na noite de sexta-feira a nova versão semestral da “lista suja” do trabalho escravo com a inclusão de 136 nomes de proprietários e empresas, além da

reinclusão de seis nomes ao documento por decisão judicial. O governo também retirou do documento26nomes. Assim, figuram na lista 504 empresas e pessoas que mantêm seus  funcionários em situação análoga à de trabalho escravo, seja por servidão por dívida, seja por trabalho degradante. Este número, segundo especialistas, no assunto, é recorde.

De acordo com a nota publicada pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), das novas inclusões deste semestre, 61 empregadores estão ligados à pecuária, 14 à produção de carvão e nove à extração de madeira. Na divisão geográfica, aparece com destaque o estado do Pará, onde foram localizados 46 novos casos. Na sequência, vêm Minas Gerais (19 novos casos) e Tocantins (13 novas notificações).

Published On: 01/07/2013Categories: Gerais

Compartilhe

Leave A Comment

Relacionados