A ferrovia Norte-Sul foi construída para ligar as regiões centro-oeste e norte do Brasil. Um dos objetivos da estrada de ferro seria escoar a produção agrícola dos estados em que foi

instalada, dentre eles o Tocantins, para o porto de Itaqui, no Maranhão. O trecho de aproximadamente 720 km entre Palmas (TO) e Açailândia (MA) está todo construído, mas alguns problemas nas plataformas de embarque e desembarque não permitem que ele seja usado pelos produtores rurais.
 
De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), a produção de soja do Tocantins cresceu 20% em relação à safra anterior e chegou a 1,6 milhão de toneladas. O problema enfrentado pelos produtores da região de Pedro Afonso, é que toda essa produção só pode ser levada até o porto de Itaqui pelas rodovias.
 
A Cooperativa Agroindustrial de Pedro Afonso (COAPA) reúne 250 produtores rurais de oito municípios da região, mas nenhum deles consegue usar a estrada de ferro. Para o presidente da COAPA, Ricardo Khouri, o investimento público feito na ferrovia não gerou benefícios para os produtores rurais. “O que se nota claramente, é que todo investimento público feito na construção da ferrovia norte-sul, ainda não gerou nenhum benefício de melhorar a renda do produtor rural, que é uma ponta da cadeia, que é quem movimenta, planta e gera essa produção” disse o presidente.
 
Um pátio às margens da ferrovia foi construído em Pedro Afonso, porém não funciona. O presidente da COAPA explica que outra possibilidade para os produtores da região seria fazer o embarque na plataforma multimodal de Colinas, a 250 km da cooperativa, mas ela não está preparada para este tipo de produto. Segundo Khouri, a doca de embarque de grãos da plataforma de Colinas existe, mas não funciona há cerca de um ano e meio.

Published On: 23/07/2013Categories: Gerais

Compartilhe

Leave A Comment

Relacionados